Preferências Pessoais

Por Chuck Stanion

Eu estava na minha mesa outro dia, fumando um Jody Davis e reproduzindo desenhos do Pernalonga na minha cabeça (Foghorn Leghorn: que piada) quando meu colega, o principal redator Truett Smith, apareceu para falar sobre uma das minhas descrições de cachimbo para o site. “Sabe”, ele disse, “não me lembro de ter visto ‘Este é o cachimbo mais feio do planeta’ como uma descrição até agora. É uma declaração audaciosa.”

“Esse cachimbo é o mais feio do planeta. Se você achar outro cachimbo mais feio, eu vou alegremente alterar esse texto para ‘o segundo cachimbo mais feio’”.

“Mas é uma avaliação subjetiva. Todo mundo é diferente e alguém vai amar aquele cachimbo. Seria um hobby monótono se todos compartilhassem seus interesses pessoais. Nós não veríamos nada além de Lovats e Billiard.”

“E eu elogio os outros por saberem o que eles gostam, mas eles devem entender que os não-Lovats são abominações visivelmente grotescas”.

“Mesmo se isso fosse verdade, não é realmente nosso estilo criticar as preferências de outras pessoas”.

“Escute, eu sou muito velho e muito sábio, e escrevo sobre cachimbos desde-”

“Ah, sim, eu sei; todos nós sabemos. Você já mencionou isso antes. Mas talvez devamos descrever cachimbos em comemoração à variedade de atividades na comunidade de cachimbos. Um pouco mais de contexto, talvez?!”

“Parece bastante auto-contextualizado para mim.”

“Mesmo assim, pode se beneficiar de algumas nuances.”

“Eu sou muito velho e muito sábio-”

“Sim, sim, Deus sabe que todos sabemos disso. Mas sobre esse cachimbo -”

“Se você duvida que eu sou um expert em feiúra, você está enganado. Te desafio a olhar a minha cara e dizer que eu não sei o que é feiúra. Eu tinha um cachimbo tão feio que uma criança do bairro deu um duplo mortal carpado quando o viu e começou a grasnar como um pato. O pobre garoto não conseguiu falar por meses e ainda chia como um pato-bravo quando fica nervoso. Não fale comigo sobre feiúra; acredite em mim, sou qualificado. “

“Estou apenas dizendo-”

“Eu sou muito velho e — “

“Sim, isso é fato, mas esse cachimbo — “

“Uma vez namorei uma garota tão feia-”

“Não, não há mais histórias sobre seus anos de namoro, estamos falando sobre como-”

“Minha família tinha uma cabra careca e desdentada tão feia -”

“A criação de animais não é pertinente para — “

“Eu possuía um Mercury Comet de 1961, tão fei-”

“Por favor. Sem carros também. Está na hora de continuar no tópico.”

Nivelamos olhares neutros um para o outro em um momento reflexivo de silêncio.

“O cão de caça de três pernas do meu pai era tão-”

“Honestamente, eu não sei como me comunicar com você. Parece uma coisa simples, mas quando-”

“Eu sou muito velho”

“Sabe o quê? Deixa pra lá. Vamos deixar isso de lado.” Ele seguiu em frente, sacudindo a cabeça de uma forma exasperadamente divertida.

Voltei às palhaçadas de Foghorn Leghorn, mas depois de uma demora razoável, reescrevi a descrição. Truett e eu tivemos uma diversão satisfatória e, além disso, ele sabe como expressar suas convicções convincentemente.


Traduzido por Matheus Doresbach




Jean Nicot: O diplomata estudioso que apresentou o tabaco para a França

Jean Nicot foi um estudioso e diplomata francês que recebeu o crédito pela introdução da folha de tabaco como remédio universal para doenças na França durante o século XVI. A popularidade inicial do tabaco na Europa foi baseada principalmente nas supostas propriedades médicas da planta, e não no uso recreativo, e Jean Nicot foi um forte defensor dessa crença. Uma variedade de fontes apresenta relatos diferentes dos experimentos com Nicot e seus resultados subsequentes, mas geralmente concorda que ele é o primeiro responsável por introduzir o tabaco na França, principalmente na forma de tabaco para rapé.

Jean Nicot apresentando a planta do tabaco à rainha Catarina de Medicis e ao Grande Prior da Casa de Lorena, 1655

A primeira interação de Nicot com o tabaco foi durante seu mandato como embaixador francês em Portugal, quando viu a planta crescer nos jardins reais de Lisboa. Ele supostamente aprendeu que os nativos americanos acreditavam que o tabaco tinha poder de cura (embora algumas fontes afirmem o filósofo humanista português Damião de Góis tenha ensinado a Nicot sobre os usos medicinais do tabaco). Segundo um relato, Nicot decidiu experimentar depois que seu cozinheiro cortou o polegar com uma faca de cozinha. Nicot embrulhou o corte com folhas frescas de tabaco e ficou surpreso e intrigado quando a ferida cicatrizou. Outras histórias afirmam que Nicot aplicou folhas de tabaco na grave irritação da pele do rosto de uma moça e em um homem que experimentava fortes dores no pé, eventualmente curando as duas aflições.

Jean Nicot

Jean continuou seus experimentos medicinais com tabaco, retornando à França por volta de 1561 para relatar suas descobertas à rainha Catarina de Médicis. Um dia, Nicot teria praticado suas teorias com a própria rainha quando estava com uma forte dor de cabeça, sugerindo que ela cheirasse um pouco de pó que ele esmagara das folhas secas de tabaco. A rainha aceitou, pegou uma pitada de pó e colocou na narina, fazendo-a espirrar várias vezes, mas sua dor de cabeça visivelmente melhorou.

 

Embora o uso do rapé tenha se tornado moda rapidamente, era usado principalmente para fins medicinais, normalmente disponíveis para compra em farmácias locais. Ao longo dos anos, o rapé tornou-se popular para uso recreativo, muitas pessoas favorecendo-o por seus efeitos estimulantes. O fumo acabou se tornando o método mais popular de consumo de tabaco, embora o rapé ainda mantivesse uma reputação favorável.

 

Nicot finalmente se aposentou e viveu seus últimos anos perto da vila de Brie-Comte-Robert, localizada no centro-norte da França, em um pedaço de terra que recebeu como reconhecimento pelo seu serviço à corte real francesa. Foi lá que ele também compilou notavelmente um dos primeiros dicionários franceses antes de falecer em 1604. Seu legado foi comemorado em meados do século 18 quando o botânico sueco Carl Linnaeus nomeou a planta de tabaco ‘nicotiana’ em reconhecimento aos esforços de Jean Nicot na promoção do uso geral da planta.

Caixa de rapé de madeira, França, 1801-1830

 

Traduzido por: J C Pereira                                      Original: https://tinyurl.com/jean-nicot