Inicio / Histórias / Coluna do JC / Experimente Tudo Duas Vezes
Dia de São Patrício (St. Patrick’s Day) Jean Nicot: O diplomata estudioso que apresentou o tabaco para a França Onde Comprar Cachimbos e Tabacos? 1492 – A Conquista do Paraíso (1992) Bastardos Inglórios / Assalto ao Trem Blindado (1978) O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei Experimente Tudo Duas Vezes Conan – O Bárbaro (1982) As Aventuras de Sherlock Holmes (1984) – T. 01 – E. 06 – A Faixa Malhada As Aventuras de Sherlock Holmes (1984) – T. 01 – E. 05 – O Corcunda As Aventuras de Sherlock Holmes (1984) – T. 01 – E. 04 – O Ciclista Solitário As Aventuras de Sherlock Holmes (1984) – T. 01 – E. 03 – O Tratado Naval As Aventuras de Sherlock Holmes (1984) – T. 01 – E. 02 – Os Dançarinos As Aventuras de Sherlock Holmes (1984) – T. 01 – E. 01 – Um Escândalo na Boêmia O Dirigível Hindenburg (1975) O Sobrevivente (1987) Falcão – O Campeão dos Campeões (1987) Scarface A Vergonha de uma Nação (1932) A Missão (1986) Por um Punhado de Dólares (1966) A Máquina do Tempo (1960) A Corrida do Século (1965) Comando Delta (1986) Os Irmãos Cara de Pau (1980) Presbyterian Mixture Por uns Dólares a Mais (1965) MacArthur – O General Rebelde (1977) O Enigma da Pirâmide (1985) Esses Homens Maravilhosos e Suas Máquinas Voadoras (1965) Três Homens em Conflito (1966) O Primeiro Assalto de Trem (1978) Popeye (1980) 20.000 Léguas Submarinas (1954) A Noite dos Mortos Vivos (1968) O Mágico de Oz (1939) Independência ou Morte (1972) McLintock! Quando Um Homem É Homem (1963) O Expresso do Horror (1972) As Aventuras de Tom Sawyer (1938) Como fazer Black Cavendish Sherlock Holmes em Noite Tenebrosa (1946) Sherlock Holmes e o Cão dos Baskerville (1939) Como fazer Prensa para Tabacos As Aventuras de Sherlock Holmes (1939) Sherlock Holmes e a Mulher de Verde (1945) Sherlock Holmes e a Arma Secreta (1943) Sherlock Holmes em Vestida para Matar (1946) O Senhor dos Anéis – As Duas Torres Pirate Kake Como fazer Perique Como fazer Cavendish Balkan Sobranie O Senhor dos Anéis – A Sociedade do Anel Volta ao Mundo em 80 Dias Árvore e Folha – J.R.R. Tolkien Um Estudo em Vermelho SOL DA TOSCANA – TABACO COMEMORATIVO 1 ANO A DIFERENÇA entre o ANTÍTODO e o REMÉDIO é a … A Nobre Arte de fumar Tabacos em Cachimbo é o Ovo do Giba ENVELHECIMENTO DE TABACO COM G. L. PEASE 7 COISAS QUE APRENDI COM O PRIMEIRO ANO DO GRUPO CACHIMBOS Precisamos de mais Churchwardens História da Missouri Meerschaum Algumas técnicas avançadas para cachimbar Fumando Espiritualmente (Pt. 1), um poema cristão sobre cachimbar 5 Dicas para um Cachimbo Diário Perfeito A História dos Isqueiros Zippo Secagem Artificial de Tabaco Regulamento do Tabaco Amigo Breve apanhado histórico do surgimento das Misturas da Dunhill Cachimbos, devoção e a fuga matinal da loucura O Mundo Secreto do Cachimbo 13.° hangout dos cachimbos Um grande dia para os entusiastas da Peterson (of Dublin)™ Avaliação de Tabacos para Cachimbo Cachimbos e o Naufrágio da Resistência 12.° hangout dos cachimbos Uma Reflexão sobre Tretas 10º Drop do Cachimbos 9º Drop do Cachimbos Oitavo Hangout do Cachimbos Sétimo Hangout do Cachimbos Mas afinal, qual é o melhor tabaco que existe? Sexto Hangout do Cachimbos Quinto Hangout do Cachimbos Quarto Drop do Cachimbos O Cachimbeiro que ouviu o “mimimi” e quase se deu muito mal Guia sobre Cachimbos e como fumá-los O Cachimbeiro Onipotente Terceiro Hangout do Cachimbos Quanto dinheiro eu preciso para fumar cachimbo? Segundo Hangout do Cachimbos Primeiro Drop do Cachimbos A Ironia da Tolerância Penúltimo Drop Será o fim do Drop? O mínimo que você precisa saber para ter bons cachimbos e tabacos Os benefícios do Tabaco que ninguém fala Como encher o fornilho com tabaco e como acender o cachimbo? Cachimbo Peterson Jekyll & Hyde

Coluna do JC, Histórias

Experimente Tudo Duas Vezes

“Não desista antes de tentar.”

Eu ouvia essa advertência regularmente quando criança, principalmente quando se tratava de comida. Sentado à mesa do jantar, um prato estranho me encarava.

– “Eu não gosto disso”, eu dizia.

– “Você já provou isso antes?” minha mãe respondia.

– “Não.”

– “Bem, então não desista antes de tentar.”

Foi-me permitido não gostar de algo, mas era necessário que eu experimentasse primeiro e só validasse minha opinião depois disso. É claro que raramente se mostraram corretas minhas suposições pré-concebidas e muitas vezes fui recebido com sabores deliciosos, positivamente surpreendido por comidas deliciosas que eu primeiramente presumi que não eram comestíveis – com base em julgamento visual.

Tal criação, naturalmente, se espalhou para a maneira como abordo outros aspectos da vida, além da comida. Vou experimentar qualquer coisa pelo menos uma vez … racionalmente.

A sabedoria se traduz bem em fumar cachimbo e experimentar tabacos diferentes, mesmo aplicando-se a misturas individuais. Nem todas as MI’s apresentam o mesmo perfil de sabor, variando nas proporções de seus vários componentes; virgínias são diferentes e mudam de perfil, dependendo da adição de outros componentes.

Eu pessoalmente achei isso verdade com misturas de burley. Depois de experimentar algumas misturas diferentes, pensei que não gostava do burley, muitas vezes recusando um fornilho quando oferecia uma mistura à base de burley. Eu mudei de opinião depois de experimentar o Irish Flake da Peterson. Composto por folhas de burley, dark-fired kentucky e virgínia, o flake me surpreendeu e acabou com meu preconceito de tabacos baseados em burley.

Às vezes, não basta experimentar algo apenas uma vez.

A mente aberta ao tentar uma nova mistura de tabaco é virtuosa; no entanto, uma única amostra geralmente não é suficiente para formar uma opinião substancial. Às vezes você tem que experimentar o tabaco duas (nota do tradutor: ou mais) vezes antes de realmente saber se gosta ou não.

Inúmeros fatores afetam a maneira como o paladar de alguém “recebe” uma mistura: humor, tabacos fumados anteriormente naquele dia, refeições anteriores etc. Por isso, aprendi que é melhor não tentar tudo uma vez, mas tentar tudo duas vezes.

Minha experiência com misturas de folhas de charuto ajudou a formar essa mentalidade. Por exemplo, quando experimentei a The Haunting, lançado recentemente pela Warped, fiquei desapontado. Eu não tinha certeza do que esperar antes de fumar, e quando acendi um fornilho, o sabor me surpreendeu. Era muito diferente de qualquer coisa que eu tivesse fumado antes e percebi que seu perfil de sabor não era o que eu queria fumar naquele momento.

Felizmente, eu não julguei a mistura como um todo com base nesse primeiro fornilho. Em vez de descartá-lo completamente e doar a lata, deixei-o de lado, arquivando minhas impressões sobre o sabor de quando estava com disposição para esse perfil.

 

No dia seguinte, voltei para a lata e, agora, sabendo o que esperar, adorei o sabor arrojado e único e a rica mistura de virgínias de qualidade e folhas de charutos dominicanos. Eu tentei uma vez, mas foi apenas na segunda tentativa que eu realmente apreciei. Estou feliz por ter dado uma segunda chance.

Nossos paladares e gostos são inconstantes e sensíveis, e devem ser atendidos com delicadeza. Às vezes, experimentamos algo novo e gostamos imediatamente. Muitas vezes, porém, nossos paladares devem ter paciência e tempo para se adaptarem à novos sabores.

Quem gosta de café, cerveja, gim, bourbon – você se apaixonou no primeiro gole? Talvez sim, mas tenho certeza de que muitos de nós não, em vez disso, desenvolvemos um gosto por cada uma dessas bebidas ao longo do tempo.

Em um tour por uma destilaria de bourbon em Louisville, Kentucky, essa mentalidade de “experimente tudo duas vezes” se manteve verdadeira novamente. Durante o passeio, recebemos amostras da versão pré-barril do licor duas vezes destilado, geralmente chamado de “high wine” ou “white dog”. O guia nos avisou no primeiro gole, advertindo-nos a não julgar o elixir “de bate e pronto”.

– “Isso vai chocar seu paladar, e não será particularmente agradável. Mas espere, a bebida está preparando você para a segunda tentativa.”

Conforme avisado, o primeiro gole ardeu e foi marcado apenas por um forte sabor alcoólico. O segundo, no entanto, produziu uma doçura profunda, à base de milho, nada desagradável.

É como se nossos paladares tivessem memória, e quanto mais eles lembram sabores, mais capazes e flexíveis são de ajustar e adaptar, os sabores se tornam mais fáceis de apreciar e mais agradáveis. Isso vale para comida, bebida e, é claro, tabaco para cachimbo.

Nosso gosto se aprofunda e cresce à medida que continuamos no hobby do cachimbo. Nossos paladares se tornam mais exigentes e sábios, captando nuances sutis de sabor que não sabíamos que existiam. Experimente tudo uma vez, com certeza; mas mesmo que não seja particularmente agradável da primeira vez, dê uma segunda chance à mistura e tente novamente.

 

Traduzido por J. C. Pereira

(Nota do tradutor: minha experiência foi com o Semmois; quis doar o bulk, mas tentei outras vezes e hoje se tornou no tabaco matinal favorito para acompanhar uma xícara grande de café preto amargo.)

 

Original por Truett Smith em: https://bit.ly/373epCK

image_pdfimage_print

Poste um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*