Inicio / Histórias / Coluna do JC / Precisamos de mais Churchwardens
As Aventuras de Sherlock Holmes (1984) – T. 01 – E. 06 – A Faixa Malhada As Aventuras de Sherlock Holmes (1984) – T. 01 – E. 05 – O Corcunda As Aventuras de Sherlock Holmes (1984) – T. 01 – E. 04 – O Ciclista Solitário As Aventuras de Sherlock Holmes (1984) – T. 01 – E. 03 – O Tratado Naval As Aventuras de Sherlock Holmes (1984) – T. 01 – E. 02 – Os Dançarinos As Aventuras de Sherlock Holmes (1984) – T. 01 – E. 01 – Um Escândalo na Boêmia O Dirigível Hindenburg (1975) O Sobrevivente (1987) Falcão – O Campeão dos Campeões (1987) Scarface A Vergonha de uma Nação (1932) A Missão (1986) Por um Punhado de Dólares (1966) A Máquina do Tempo (1960) A Corrida do Século (1965) Comando Delta (1986) Os Irmãos Cara de Pau (1980) Presbyterian Mixture Por uns Dólares a Mais (1965) MacArthur – O General Rebelde (1977) O Enigma da Pirâmide (1985) Esses Homens Maravilhosos e Suas Máquinas Voadoras (1965) Três Homens em Conflito (1966) O Primeiro Assalto de Trem (1978) Popeye (1980) 20.000 Léguas Submarinas (1954) A Noite dos Mortos Vivos (1968) O Mágico de Oz (1939) Independência ou Morte (1972) McLintock! Quando Um Homem É Homem (1963) O Expresso do Horror (1972) As Aventuras de Tom Sawyer (1938) Como fazer Black Cavendish Sherlock Holmes em Noite Tenebrosa (1946) Sherlock Holmes e o Cão dos Baskerville (1939) Como fazer Prensa para Tabacos As Aventuras de Sherlock Holmes (1939) Sherlock Holmes e a Mulher de Verde (1945) Sherlock Holmes e a Arma Secreta (1943) Sherlock Holmes em Vestida para Matar (1946) O Senhor dos Anéis – As Duas Torres Pirate Kake Como fazer Perique Como fazer Cavendish Balkan Sobranie O Senhor dos Anéis – A Sociedade do Anel Volta ao Mundo em 80 Dias Árvore e Folha – J.R.R. Tolkien Um Estudo em Vermelho SOL DA TOSCANA – TABACO COMEMORATIVO 1 ANO A DIFERENÇA entre o ANTÍTODO e o REMÉDIO é a … A Nobre Arte de fumar Tabacos em Cachimbo é o Ovo do Giba ENVELHECIMENTO DE TABACO COM G. L. PEASE 7 COISAS QUE APRENDI COM O PRIMEIRO ANO DO GRUPO CACHIMBOS Precisamos de mais Churchwardens História da Missouri Meerschaum Algumas técnicas avançadas para cachimbar Fumando Espiritualmente (Pt. 1), um poema cristão sobre cachimbar 5 Dicas para um Cachimbo Diário Perfeito A História dos Isqueiros Zippo Secagem Artificial de Tabaco Regulamento do Tabaco Amigo Breve apanhado histórico do surgimento das Misturas da Dunhill Cachimbos, devoção e a fuga matinal da loucura O Mundo Secreto do Cachimbo 13.° hangout dos cachimbos Um grande dia para os entusiastas da Peterson (of Dublin)™ Avaliação de Tabacos para Cachimbo Cachimbos e o Naufrágio da Resistência 12.° hangout dos cachimbos Uma Reflexão sobre Tretas 10º Drop do Cachimbos 9º Drop do Cachimbos Oitavo Hangout do Cachimbos Sétimo Hangout do Cachimbos Mas afinal, qual é o melhor tabaco que existe? Sexto Hangout do Cachimbos Quinto Hangout do Cachimbos Quarto Drop do Cachimbos O Cachimbeiro que ouviu o “mimimi” e quase se deu muito mal Guia sobre Cachimbos e como fumá-los O Cachimbeiro Onipotente Terceiro Hangout do Cachimbos Quanto dinheiro eu preciso para fumar cachimbo? Segundo Hangout do Cachimbos Primeiro Drop do Cachimbos A Ironia da Tolerância Penúltimo Drop Será o fim do Drop? O mínimo que você precisa saber para ter bons cachimbos e tabacos Os benefícios do Tabaco que ninguém fala Como encher o fornilho com tabaco e como acender o cachimbo? Cachimbo Peterson Jekyll & Hyde Cachimbo Peterson Sherlock Holmes Original O que preciso para fumar Cachimbo? A Origem do Cachimbo, Matérias Primas e Tabacos Cachimbos

Coluna do JC, Histórias

Precisamos de mais Churchwardens

“O cachimbo dá ao sábio tempo para pensar; e ao tolo algo para lhe ocupar a boca”. Essa máxima é frequentemente atribuída à C. S. Lewis, embora eu duvide que seja da autoria dele – Lewis, além de não cuidar bem de seus cachimbos cheios de cake de Three Nuns, era mais adepto dos cigarros em si.

O ponto aqui é que esse provérbio é muito bom. Desculpem-me as confreiras e leitoras do blog pelo tom “misógino” do que vou dizer. Creio que esse provérbio deveria estar em um quadro com uma bela moldura, na sala de qualquer “homem” que carregue um par de bolas entre as pernas (desculpem a linguagem, eu poderia dizer culhões, não é?).

É isso que separa os homens dos meninos. Paulo, o apóstolo cristão, fala em uma de suas cartas que quando criança, falava como menino, mas por ser adulto (quando escreve a carta em questão) deveria deixar as coisas de menino, falar e agir feito homem (1 Co 13.11).

Tá ok! Mas o que isso tem a ver com o provérbio do cachimbo, o título deste artigo? Calma, chegaremos lá.

Vivemos conectados! Essa é uma característica de nossa época, e alguns de nós passam muito mais tempo online do que off-line (isso é reversível, tem cura rsrs). É um tempo de informação rápida e um tempo de interações rápidas. Vivemos no “instantâneo”. É tudo muito simples, muito prático. Tudo se faz “na rede” – desde sua declaração de imposto de renda, a compra de sua bebida, tabaco e até seus cachimbos favoritos. O futuro, meus amigos, é agora.

Nesse espiral caótico de praticidade e instantaneidade, as coisas também ficaram, como diria o Zygmunt Bauman (o polonês cachimbeiro da sobrancelha engraçada), líquidas: “ – Tudo passa muito rápido, e no final nada tem muita importância”.

Isso se aplica às relações e comunicações nesse mundo sem lei chamado internet. Agora, é aqui que as coisas relacionadas ao título, provérbio, bolas e bíblia começam a se entrelaçar e fazer sentido.

Me acompanhe por um instante, por favor.

Hoje, as pessoas leem uma manchete (e só a manchete mesmo) de uma matéria em um blog de notícias, o servidor hospedado lá no círculo polar ártico, e antes mesmo de averiguar, já saem descarregando opiniões em nossa timeline, como se dependêssemos da opinião deles para sobreviver nesse mundo moderno.

Eles opinam sobre tudo: política, economia, ciência e tecnologia, astronomia, religião, esportes, cervejas, cultura pop, filosofia, gastronomia, ocultismo, música, camping, automotores, cachimbos, tabacos, charutos, destilados, comédia, vida após a morte, decoração, urbanismo, línguas e simbologia, aborto, maconha e por aí vai (a lista é imensa).

Eu, sinceramente, acho o máximo essas pessoas que sabem sobre tudo – sobre o céu, a terra, as coisas que estão entre os dois, as coisas que nem existem e as que já existiram antes de nós. Eu fico, “Ual, como será que ele consegue estudar tantas coisas assim e falar com tanta ‘propriedade’ sobre tudo? ”, então eu resolvo perguntar: Poxa, que legal, qual é sua área de formação? O sujeito me responde: Sou massoterapeuta (isso é só um exemplo h i p o t é t i c o, ok?). Minha resposta é aquela interjeição desajeitada: “Huuuuuuummm, saquei”. Insisto: – E onde você aprendeu sobre tudo isso? – No youtube, cara – responde. Mais uma vez, de minha parte vem um “Huuuummm, entendi”.

Você com certeza conhece um cara assim, não conhece? Graduado na Universidade Google, especialização em WhatsApp e pós-graduação em Youtube. Se você não conhece ninguém assim, é sobre você que estou falando (Rá, te peguei!).

Por que falo isso? Falo isso porque sofri para me graduar em teologia protestante reformada, um assunto bem específico, mesmo assim, tenho medo de ficar “teologando” por aí, falar uma besteira, e ficar mal no sindicato (rsrs). Tenho medo de manchar a reputação de gigantes que vieram antes de mim. Medo de chegar na eternidade e ser chamado atenção por Agostinho, Calvino, Karl Barth, Francis Schaeffer e muitos outros (pô velho, você só falou bobagens ein?). Quanto mais eu estudo, mas eu vejo que preciso estudar. É um ciclo interminável.

Até aqui, você pode concordar ou discordar de mim, mas neste ponto você se pergunta: – E o título, cara? O que isso tem a ver com tudo o que está armado lá em cima, no texto? Eu respondo:

– Eles estão entre nós, cachimbeiros. Eles estão em nossas comunidades, em nossos feeds – todos os lugares! Mas, então, o cachimbo não está lhes ocupando a boca? Está, mas o pipo está em clench entre os dentes e suas mãos estão livres para digitarem o que lhes vier à cabeça. Sem nenhum pudor. Sem limites. Sem brio. Sad but true.

Se você acompanhou a minha linha de raciocínio até aqui e sabe o que é um churchwarden, você me entende quando encerro dizendo que precisamos de mais churchwardens – cachimbos que ocupem nossas bocas e dedos tolos – e que nos livre da vergonha online e offline.

image_pdfimage_print

2 Comentários

  1. Avatar
    Gibasexapil 21 de abril de 2019 07:14

    Tens razão e ainda dou a “minha”.

  2. Avatar
    Diego 3 de junho de 2019 15:54

    Ótimo texto prezado Jader!

Envie um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*